Posts tagged Qualidade de vida

academic-1822683_640

Mais que formação acadêmica você precisa é ter conhecimento

Conheça 8 características que farão você ser um profissional preocupado com a busca de resultados

Precisamos parar de achar que um currículo bem recheado é garantia de empregabilidade. Experiência profissional já foi um diferencial e continua sendo, mas o que vale mesmo no mundo profissional é ter conhecimento. Trata-se de uma nova postura de pessoas com uma visão atualizada, que sempre estão em busca de aperfeiçoamento, que nem sempre se encontra dentro de uma sala de aula. Empresas querem pessoas que tragam resultados, essas são as que terão mais oportunidades profissionais.

Isso acontece porque o Ensino Superior vem sendo cada vez mais acessível, e ser formado em alguma área, não é mais um diferencial competitivo, muitas vezes, dependendo da ocupação tornou-se obrigação. E, mesmo pessoas sem graduação formalizada, mas com muito conhecimento, vêm agregando muito a equipe de uma empresa.

É claro que um curso universitário, seja uma graduação, pós-graduação, cursos livres trazem conhecimentos, mas o aluno deve sempre ir além. Não ficar preso ao conteúdo da aula ou só estudar para passar na prova e conseguir o certificado. Isso pode até encher as páginas do currículo, mas não preenchem o tão raro conhecimento que você precisa.

Você já parou para pensar o que você faz de diferente para alcançar resultados para você, para a sua empresa ou para quem presta serviço? Anote, então, 8 características de um profissional, que vão além da formação acadêmica:

Seja autodidata – Os autodidatas se dão muito bem na busca de conhecimentos. Eles estão sempre antenados, fazem cursos pelo internet e estão atentos às novidades.

Mantenha-se atualizado – Estar atualizado é primordial nos dias de hoje. São transformações no mundo corporativo, que necessita de pessoas que vão atrás de novos conhecimentos. Para isso, esteja sempre atento ao que acontece à sua volta.

Seja pró-ativo – Não espere que o seu chefe, cliente ou parceiro de trabalho te digam o que precisa ser feito. Antecipe-se, seja pró-ativo, mostre-se disponível.

Pergunte, pergunte, pergunte – Inteligente é quem pergunta. Quem pergunta demonstra interesse, sua ação ao perguntar deixa de lado qualquer dúvida que possa atrapalhar as suas ações. O perguntador está preocupado em ampliar o seu repertório de conhecimento.

A prática leva à perfeição – Profissionais com experiência são bem requisitados no mercado. E muitas vezes essa experiência não precisa estar atrelada ao que você faz hoje. Tudo é bagagem, que vai agregar lá na frente, e quem ensina isso não é a universidade.

Aprenda com os outros – Interagimos com pessoas a todo o momento, mas nos esquecemos que podemos a todo tempo aprender com elas. Inclusive você pode aprender com as experiências dos outros, tanto as boas como as ruins.

Seja criativo – Não venha dizer que você não é criativo. Todos somos! Basta estar aberto para isso, se permitir, dar asas à imaginação. O processo tem a ver com a liberdade de pensamento.

Permita-se errar – Grandes empresários de sucesso erraram muito antes de acertar. Isso porque eles permitiram-se arriscar, tiveram coragem de tomar decisões, que levaram a erros e acertos. Por isso, não tenha medo de errar, do contrário não sairá do lugar.

Todas essas características não se aprendem na escola, nem na faculdade. Aliás, se não procurarmos nos atualizar o que foi aprendido nesses espaços formais ficam ultrapassados em pouco tempo, tamanha são as transformações do mundo corporativo em todas as áreas. O que fica mesmo é a sua essência. A pessoa que você é com seus valores e competência e vontade sempre de fazer a diferença e deixar a sua marca por onde você passar.

Fonte: Matéria publicada no Portal da Futuro Eventos – http://www.futuroeventos.com.br/conteudo-blog/mais-que-formacao-academica-voce-precisa-e-ter-conhecimento/

 

Pessoas-bem-sucedidas-não-são-mais-as-workaholics-768x490

Pessoas bem-sucedidas não são mais as workaholics

Achávamos que a tecnologia supostamente diminuiria a quantidade de trabalho. Ledo engano! Hoje sabemos que ela é uma das grandes vilãs do mundo workaholic. Como a nossa vida era boa (e não sabíamos) quando o expediente terminava às 18 horas. Hoje, a jornada de trabalho continua mesmo depois que abandonamos o ambiente físico do trabalho. E para quem trabalha home office, apesar de uma maior liberdade de administrar o tempo, é raro encontrar pessoas que conseguem trabalhar apenas 8 horas por dia. A tecnologia, definitivamente, veio para roubar o nosso tempo, aquele que tanto almejamos para desfrutar do ócio.

A compulsão pelo trabalho, o impulso e o vício pela conecção 24 horas por dia, respondendo whatsApp de cliente às 11 horas da noite têm nos tornado workaholics, que há muito tempo já deixou de ser sinônimo de pessoa bem-sucedida. O bem-sucedido hoje é aquele que consegue ter sucesso profissional atrelado a uma vida social que dá espaço para o convício entre os amigos e a família.

Antes de listar os dez sinais para você detectar se é um workaholic, vamos à definição: o workaholic é aquele viciado, não apenas no trabalho, mas também nas conquistas e realizações profissionais, colocando o trabalho acima da família, vida social, do lazer e até mesmo da saúde. De um primeiro momento, podemos nos enganar e falar que são pessoas que possuem qualidade de vida, pois ganham bem, frequentam bons restaurantes e estão sempre viajando (geralmente a trabalho), mas a que preço?

Confira os 10 sinais de um workaholic e faça o seu diagnóstico:

1) Expediente – Se trabalha em uma empresa é o primeiro a chegar, e o último a sair… Se trabalha home office, o horário comercial não é o limite. Ele se orgulha em falar que trabalha mais de 8 horas por dia, não se importando com o ritmo do trabalho.

2) Férias? – Já não lembra mais o que é isso. Quando tira uns dias de descanso, sente falta do trabalho.

3) Conectado 24 horas por dia – Fica apavorado quando acaba a bateria do celular. Responde mensagens do seu chefe ou cliente no mesmo segundo que elas são enviadas, sem se importar se já são mais de dez horas da noite.

4) Insônia – Não consegue ter um sono profundo e tranquilo. Sonha constantemente com o trabalho e geralmente têm insônia. Mesmo assim sente-se disposto o dia todo.

5) Alimentação – Não tem horários pré-definidos. Se conseguiu almoçar, tudo bem; mas se não deu tempo, tudo bem também. O importante é aproveitar que o trabalho está rendendo.

6) Estabilidade – Se preocupa muito com a estabilidade, fica apavorado de arriscar em um novo negócio, pois morre de medo de começar do zero ou ficar sem trabalho.

7) Lazer – Você está com saldo positivo no banco com condições de fazer uma viagem bacana com a família ou com os amigos, mas não tem tempo de curtir. Sua vida é muito ocupada e quando sobre um tempinho, prefere não sair de casa.

8) Vida social – Você passa a sair mais com os colegas de trabalho do que com seus verdadeiros amigos.

9) Obcecado – Seu nome é trabalho. Trabalha quando está tomando banho, no carro, nas reuniões familiares. É o trabalho que move a sua vida e tudo o que faz está atrelado a ele. Ter um hobby é perda tempo. Tempo é dinheiro!

10) Quem eu? – O workaholic não assume que é viciado no seu trabalho. Se antes era uma vantagem ser um deles, hoje é motivo de pessoas que não sabem administrar o seu tempo e não estão pensando na sua qualidade de vida.

E você? É um workaholic? Qual o seu diagnóstico? Se a sua vida corresponde a pelo menos metade desses dez sinais, acione o botão de alerta. Viva mais e trabalhe menos. Seu corpo e a sua família agradecem!

Fonte: Artigo publicado no Portal da Futuro Eventos.

quaidade_de_vida

O que é qualidade de vida?

Essa pergunta: “O que é qualidade de vida?” não é tão simples assim de ser respondida, uma vez que ela varia conforme a maneira que cada pessoa escolhe para viver bem. Para uns está associado ao dinheiro, para outros é o sucesso profissional, status; pode estar vinculado a uma vida mais simples: menos dinheiro e mais tempo para a família, e por aí vai. Portanto, qualidade de vida é uma opção pessoal.

Quando fui morar em Florianópolis para fazer o mestrado consegui uma bolsa de estudos. Dividia o aluguel da casa que morava com mais uma estudante, morava 15 minutos da praia e durante dois anos só estudei e fazia uns freelas de revisão de materiais didáticos para aumentar um pouco a renda. Para mim aquilo era qualidade de vida. Para o meu estilo e propósito de vida, naqueles dois anos e meio, o dinheiro não me importava tanto, priorizei uma vida menos estressante, porém pagando o preço de ganhar menos para viver mais.

Para outras pessoas, qualidade de vida é ser concursado, a certeza que você nunca será mandado embora do seu emprego, ter um emprego fixo, carteira assinada, férias garantidas todo ano, viajar para o exterior e por aí vai. Então, não podemos julgar a vida dos outros. Cada um decide como quer levar a sua vida. Por esse motivo qualidade de vida tem a ver com escolhas de bem-estar, ter consciência da decisão que toma e, simplesmente, tocar a vida sem prejudicar ninguém. Por isso, não há uma definição qualidade de vida, pois não se pode generalizar e padronizar.

O autoconhecimento é muito importante na hora de você decidir que vida você quer ter para adquirir a qualidade desejada. Eu elenco três atividades, que servem para mim. E lanço o desafio para você elencar quais são as suas!

Praticar uma atividade física – Uma das coisas que mais prezo para ter qualidade de vida é praticar uma atividade física A meta: correr pelo menos duas vezes por semana, em um parque ou local a céu aberto; aula de zumba 3 vezes por semana e que eu não precise sair de casa (onde moro as aulas acontecem na quadra de esportes do condomínio) e, se sobrar tempo, para ficar perfeito, nadar um dia da semana que seja. Pergunte a um sedentário, que odeia praticar exercício físico, se isso é sinônimo de qualidade de vida. Nem precisa me responder o que ele vai dizer.

Ter um hobby – Ter um hobby é possível que seja unânime para quem busca qualidade de vida. Dar vazão a essas atividades faz bem para sua saúde física e mental. Meus hobbys são fazer aula de canto, de violão, aprender Libras e nunca parar de estudar. Acredite, tem quem goste e eu sou uma delas. Mas se a pessoa é movida pelo status e pelo dinheiro para se ter uma boa qualidade de vida para ela e sua família, provavelmente não terá tempo, cabeça e muito menos o autoconhecimento necessário para saber que hobby gostaria de fazer.

Viajar para o exterior – A busca por qualidade de vida tem feito com que as pessoas busquem cada vez mais viajar. Há pessoas que guardam dinheiro o ano inteiro ou parcelam em diversas vezes a viagem para ficar um mês, 15 dias ou até mesmo apenas uma semana para conhecer hábitos diferentes dos seus, desfrutar de uma gastronomia diferente, fazer novas amizades, se comunicar em outros idiomas. Para uns, viajar com uma mochila nas costas pode ser um projeto de viagem ideal, já outros não largariam mão do conforto. E, se ir mais a fundo, pensando na diversidade de pessoas com gostos diferenciados, tem quem acha – e eu conheço pessoas assim –, que preferem não ter que economizar o ano inteiro para ter a possibilidade de fazer uma grande viagem. Para essas pessoas, qualidade de vida é ter dinheiro para o seu dia a dia, sem se preocupar com a conta bancária.

E você? Já pensou qual estilo de vida se aproxima mais ao seu modo de ser e de estar para ter uma qualidade de vida?

Fonte: Brisa Teixeira, texto publicado no portal da Futuro Eventos – http://www.futuroeventos.com.br/conteudo-blog/qualidade-de-vida-e-saude/o-que-e-qualidade-de-vida