Posts in JEDUCA

Prêmio do Portal Imprensa – Reconhecimento para professores de Comunicação

jeduca_premio_jornalistas

Quando lembro da minha graduação na PUC-PR, realizada de 1994 a 1997, me vem as aulas de rádio e televisão do Professor Valdir Cruz. Esses dois veículos nunca foram o meu foco de atuação, nem quando estudante e nem hoje, quase 20 anos de formada. O sonho era trabalhar na Gazeta do Povo, atuando na mídia impressa, fato que se consolidou, logo após o estágio, que fiz durante os 4 anos de faculdade.

Mesmo o rádio e a TV não sendo minhas mídias preferidas para trabalhar, as aulas do Professor Valdir foram as que mais me marcaram. Certa vez, ele dividiu a turma para fazer um grande telejornal. Lembro que eu fui a primeira a levantar a mão, dizendo que queria ser a editora geral; na verdade o que eu não queria era correr o risco de ser escalada para aparecer na tela como apresentadora, repórter ou comentarista. O pavor das câmeras me persegue até hoje.

Lembrei deste fato quando li a divulgação da segunda edição do Prêmio Professor Imprensa. Alunos e ex-alunos de comunicação poderão indicar os professores de graduação mais inspiradores, até o dia 24 deste mês. O apoio é da Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação – e patrocínio do Grupo RBS. Em um primeiro momento serão selecionados 25 finalistas. Em novembro, internautas definirão 5 ganhadores, um para cada região do país.

As indicações podem ser feitas pelo site www.portalimprensa.com.br/professorimprensa. Poderão ser indicados professores que tenham lecionado disciplinas em cursos de Comunicação Social: Jornalismo, Publicidade/Marketing, Relações Públicas e Rádio & TV. Professores de pós-graduação podem concorrer, desde que já tenham dado aulas na graduação.

Para mais informações acesse aqui o site da Jeduca

Fonte: Brisa Teixeira com informações da Jeduca

MEC responde jornalistas sobre reforma do Ensino Médio, em videoconferência, sexta, às 12h30

Jornalistas de todo o país poderão fazer perguntas para  o secretário de Educação Básica do MEC (Ministério da Educação), Rossieli Soares da Silva, nesta sexta-feira, às 12h30, em videoconferência promovida pela Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação). O tema será a Medida Provisória nº 746, que cria o Novo Ensino Médio.
Os interessados podem assistir ao evento no site da Jeduca (http://jeduca.com.br/). Os jornalistas podem enviar perguntas antecipadamente (recomenda-se) ou durante a transmissão online para o e-mail contato@jeduca.com.br.
A Jeduca considerou relevante promover a videoconferência por conta da polêmica criada pela reforma e das dúvidas que ainda persistem sobre a MP. O evento terá duração de uma hora, mediação da jornalista Elisângela Fernandes, diretora da Jeduca.
Anunciada na quinta-feira (22) da semana passada, para reverter a crise do ensino médio – o nível de aprendizado dos estudantes está estagnado desde 2011 –, a MP prevê flexibilizar a grade curricular, composta por 13 disciplinas obrigatórias. Ela permite ao estudante escolher entre cinco áreas (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Formação Técnica e Profissional) para adaptar a trajetória escolar aos seus interesses. O governo também anunciou o investimento de R$ 1,5 bilhão para os estados iniciarem ou acelerarem a ampliação da carga horária nos três anos do ensino médio de 800 horas para 1,7 mil horas, o que implicaria a adoção do turno integral de 7 h diárias.
A reforma já provocou controvérsia de saída por ter sido apresentada via MP, considerada por seus críticos um instrumento que limita o debate – o Congresso terá 120 dias para analisar o tema. Além disso, o texto da MP distribuído aos jornalistas no dia 22 dava a entender que educação física, artes, sociologia e filosofia seriam excluídas do currículo. O MEC depois explicou que as quatro disciplinas permanecem na grade, jogando a definição para a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que está sendo debatida desde o ano passado.
O ministério também anunciou que vai baixar portarias para detalhar outros pontos da MP. Uma das dúvidas que persistem é exatamente a da articulação da medida provisória com a Base Comum. O parágrafo (§) 6º do artigo 36 determina que os conteúdos da BNCC não podem exceder 1.200 horas da carga horária total do ensino médio. Com isso, eles ficariam restritos a menos de um ano escolar, período considerado insuficiente por alguns educadores.
Numa tentativa de encerrar a polêmica sobre exclusão de disciplinas, a secretária-executiva do MEC, Maria Helena de Guimarães Castro, disse que artes e educação física serão ministradas durante metade dos três anos do ensino médio. O problema é que a BNCC aponta no sentido contrário, para a ampliação do peso de ambas no currículo. Em educação física, por exemplo, a versão atual da Base prevê 90 objetivos de aprendizagem ao longo do ensino médio.
Outro ponto que será tratado via portaria é o do financiamento da expansão do ensino integral. Rossieli tem dito que o MEC dispõe de estudos que comprovam a viabilidade financeira da ampliação. Mas o governo afirmou que os repasses serão feitos durante quatro anos, sem esclarecer se, depois disso, o custo da ampliação caberá exclusivamente aos estados, cuja condição financeira é notoriamente frágil.
Críticos da reforma consideraram insuficientes os recursos destinados ao turno integral. E também alertaram que o § 2º do artigo 6º não garante a transferência de fato das verbas, ao mencionar que ela ocorrerá “respeitada a disponibilidade orçamentária para atendimento” em um momento de crise econômica e queda da arrecadação.
Outro item em que o próprio governo admitiu que é necessário explicitar o texto da MP é o inciso IV do artigo 61, que permite aos estados remanejarem “profissionais com notório saber” para “ministrar conteúdos afins à sua área de formação”. O objetivo da medida é permitir que professores graduados em matemática, por exemplo, possam dar aulas de física, área que enfrenta escassez de especialistas. A portaria deve exigir que os profissionais já tenham experiência no ensino da disciplina para a qual vão migrar.
Rossieli Soares foi anunciado como secretário de Educação Básica em 24 de maio. Anteriormente, ele comandava a Secretaria da Educação do Amazonas e ocupava a vice-presidência do Consed (Conselho dos Secretários Estaduais de Educação).
A videoconferência tem o apoio técnico do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária).
Fonte: Elisângela Fernandes, diretora da Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação.

Abertas as inscrições para a 12ª Campanha de Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular

Acontece neste mês a 12ª edição da Campanha de Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, que deverá envolver cerca de 800 Instituições de Ensino Superior (IES). A ação é promovida pela Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES) e contará com atividades entre os dias 12 e 17 de setembro, quando serão realizadas atividades em todo o País com uma mostra dos projetos realizados e atendimentos à comunidade. Nesta edição, um dos destaques da campanha é o Pacto da Educação Brasileira contra o Zika, com diversas instituições que vêm trabalhando, ao longo do ano, para conscientizar a população a ajudar a combater o mosquito aedes aegypti.
Sobre o projeto – A Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular foi criada em 2005 com o intuito de incentivar e amplificar a divulgação dos projetos realizados pelas IES no âmbito da responsabilidade social. A Campanha culminava no Dia da Responsabilidade Social, agora ampliado para a Semana da Responsabilidade Social, quando as instituições promovem uma mostra do que é realizado ao longo do ano com propósito de aproximar o setor acadêmico e a sociedade por meio de ações realizadas pelas IES e de serviços nas áreas de educação, saúde, cultura e meio ambiente, dentre outras.
A iniciativa foi concretizada depois da Lei 10.861/2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Pela legislação, a contribuição à inclusão social, ao desenvolvimento econômico, à defesa do meio ambiente, da memória e patrimônio cultural, da produção artística passou a fazer parte da avaliação das IES. Quando mal avaliadas, as instituições de ensino podem sofrer sanções.
Participam da ação tanto as instituições particulares – associadas ou não à entidade – como as públicas e também aquelas vinculadas ao Sistema “S”. Cada instituição cadastrada na Campanha tem autonomia para definir o local de realização do evento, bem como a programação de atividades, que devem ser todas gratuitas.
Além dos benefícios promovidos para a população, as ações garantem às IES a certificação com Selo Instituição Socialmente Responsável, reconhecendo a importância do vínculo entre o universo acadêmico e a comunidade.
Concurso de Vídeos – Para registrar de maneira criativa as ações promovidas pelas instituições na Semana da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, a ABMES criou o Concurso Sílvio Tendler de Vídeos sobre Responsabilidade Social. As inscrições para a 10ª edição do concurso serão abertas no dia 19 de setembro e as IES participantes concorrem a até R$ 10 mil concorrendo em quatro categorias: documentário, cobertura jornalística, vídeo institucional e videoclipe.
SERVIÇO – 12ª Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular
Data: 12 a 17 de setembro
Registro da Participação pelas IES: www.sisdia.abmes.org.br
Mais informações: www.responsabilidadesocial.abmes.org.br.
Fonte: Lidyane Lima
Gerente de Comunicação e TI
(61) 3223-1984

Boa notícia para a cobertura jornalística em educação

JEDUCA
Foi lançada hoje, em São Paulo, a Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação. Mesmo sendo um tema prioritário para o País, a educação ocupa pouco espaço na mídia nacional. Isso sem contar que o jornalista que cobre educação nem sempre é especializado no tema, diferente do que acontece com a cobertura de outras editorias como política, economia e esportes. Resultado disso, o pouco de cobertura que existe, nem sempre é de qualidade.
Com a Jeduca, o objetivo é justamente esse: melhorar a cobertura de educação na imprensa em todo País. Para isso, jornalistas, que cobrem o tema, e estudantes de Jornalismo serão conectados, por meio da Associação, para fomentar o interesse pelo tema e prepará-los para escrever sobre o assunto.
Grandes jornalistas especializadas de veículos como Folha de São Paulo participam da Associação, abrindo espaço para outros profissionais da comunicação para se associar. Serão oferecidos serviços gratuitos e toda a assistência para quem cobrir a área, pensando e debatendo como pode ser apurada da melhor forma a educação na imprensa. A ideia – e quem tem tudo para dar certo – é abrir uma rede de discussões sobre a área.
Para saber mais, acesse o site da Jeduca – www.jeduca.com.br