Blog Tic Tag

Como competem deficientes visuais nos diferentes esportes paralímpicos

Os Jogos Paralímpicos, que terminaram no domingo, dia 18, no Rio de Janeiro, vimos uma show de superação, reunindo 4.350 atletas de 160 países, em 22 modalidades. Só no Brasil foram  287 atletas participantes. As modalidades são adaptadas e, em algumas competições, os atletas são acompanhados por guias, que também são premiados e subirão ao pódio. Como tive uma experiência o ano passado de ser tutora de uma deficiente visual e por trabalhar hoje para a Jorge Javorski Comunicação, atendendo o Hospital de Olhos do Paraná , este tema da cegueira passou a chamar a minha atenção. Aqui, então, editado a partir de uma reportagem do jornal El País  resumo algumas modalidades com curiosidades e técnicas utilizadas para ajudar os atletas com deficiências visuais.
Golbol – Esporte criado exclusivamente para pessoas com deficiência visual. A quadra tem as mesmas dimensões das de vôlei. A bola tem um guizo em seu interior para que os jogadores saibam sua direção. Cada equipe conta com três jogadores, que são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores. Neste link, saiba mais sobra a história, regras, classificação e equipamentos https://www.youtube.com/watch?v=0bZ51jzmbAQ
Natação – Na beira da piscina, uma pessoa, chamada de tapper, avisa quando o atleta está prestes a chegar ao final, para que girem e finalizem a prova. O regulamento obriga todos os nadadores que competem na categoria S11 a levar óculos escuros. Dessa forma, os que têm certo grau de percepção competem nas mesmas condições dos que perderam completamente a visão. Dentro da piscina, para não sair de suas raias, os nadadores com deficiência visual encostam nas cordas que separam as balizas.
Ciclismo – Os atletas competem com um guia. O piloto com visão fica na parte da frente e como copiloto, na parte de trás da bicicleta, fica a pessoa com deficiência visual. Os dois ciclistas, não só devem pedalar na mesma sintonia, como também, devem sair da bicicleta, virar e manter o equilíbrio ao mesmo tempo em situações complicadas.
Triatlo (Categoria: PT5) – Os Jogos Paralímpicos do Rio serão os primeiros da história em que haverá competição de triatlo. Na natação, os atletas cegos vão unidos pela cintura ou perna, e é o guia que os dirige para as boias. No ciclismo, é usada uma bicicleta de dois lugares. Depois, na corrida, há duas opções, amarrados pelo cinto portadorsal ou com uma corda, segurando uma ponta cada um.
Futebol – A modalidade 5 é exclusiva para deficientes visuais. Jogada em terreno descoberto para permitir uma acústica ideal. Os três terços do campo são demarcados e, atrás dos gols, encontra-se a área de guias. Assim como no golbol, a bola é equipada com guizos para que os jogadores saibam sua posição e trajetória.
Judô – O regulamento determina que as provas devem começar com os dois esportistas agarrados.  O judô para deficientes visuais inclui novos sinais auditivos e táteis para transmitir as decisões aos esportistas.
Remo – No remo olímpico não existe, por enquanto, uma categoria só para pessoas cegas, mas na modalidade LTA4+, de embarcações de quatro atletas, podem participar até dois atletas com deficiência visual. O regulamento de remo paralímpico detalha que, devido à inclusão dos para-atletas, o juiz de saída dará às tripulações uma indicação verbal adicional, além da bandeira ou do sinal luminoso.
Fonte: Texto de Brisa Teixeira, editado do jornal espanhol El País
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/09/06/deportes/1473170113_556149.html
Fonte Foto: CPB

Um muro de escola inspirador

Um muro em forma de livros. Foi assim que o Colégio Evangélico Martin Luther, de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, inovou ao pensar na fachada da escola. Com os livros todos perfilados como se estivessem em uma estante é possível visualizar várias obras, todas sugeridas pelos próprios alunos da instituição e referentes livros que eles estavam lendo.
Destacam-se nas obras representadas no muro, o livro “Toda Poesia”, de Paulo Leminski, “As crônicas de Nárnia”, de C.S. Lewis, “A culpa é das estrelas (John Green)”, “O menino do pijama listrado” (John Boyne) e “A casa das orquídeas” (Lucinda Riley).
A ideia deixa claro o incentivo à leitura, que segundo o diretor do colégio, Ildemar Kanitz, precisa ser mais estimulada entre os jovens e que tenham um espaço grande na vida das pessoas.
Para fazer a arte no muro, foi chamado o grafiteiro Alexandre Schwingel, conhecido como Trilha, e que já é conhecido na cidade por ser grafites espalhados pela região.
Fonte Texto: editado a partir de O Presente Digital e Jornal Gazeta do Povo
Fonte Foto:
O Presente

Estácio Curitiba oferece orientações jurídicas para casais que desejam o divórcio

Para quem quer tomar uma decisão na vida, fechar um ciclo, se abrir para novas oportunidades ou simplesmente dar um tempo para si mesmo(a), o Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade Estácio Curitiba (NPJ) promove, de 19 a 23 de setembro, a 9ª edição do projeto Semana do Divórcio Consensual. São atendimentos jurídicos gratuitos voltados a casais de baixa renda.
Para receber o atendimento do projeto é preciso que haja acordo entre o casal em questões como a guarda dos filhos, pensão alimentícia e bens. A renda familiar não pode ser superior a três salários mínimos e os bens materiais do casal não poderão ultrapassar R$50.000. É preciso também que o casal seja residente em Curitiba.
Para participar, os interessados devem fazer a inscrição até hoje, dia 16 de setembro (por telefone). Os casais que estiverem dentro do perfil terão dia e horário agendados para a semana  na sede do NPJ. Os atendimentos são realizados por alunos do 9 e 10.º períodos do curso de Direito, sempre sob supervisão dos professores.  O NPJ conta com o apoio do Tribunal da Justiça neste projeto.
Serviço:
X Semana do Divórcio Consensual
Período de Inscrições: de 12 a 16/9
Inscrições e Informações: (41) 3088-0474

Everton Renaud faz o pré-lançamento do livro Mídia e Escola, no Intercom, em SP

Livro_everton
Ontem, 5 de setembro de 2016, em São Paulo, durante o Intercom – Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – foi o dia de Everton Renaud fazer o pré-lançamento do livro “Mídia e Escola – um estudo de recepção de reportagens de telejornal em sala de aula”. Tive o prazer e o desafio de fazer a preparação do original, revisão ortográfica, revisão gral e escolha da capa, partindo da dissertação de mestrado do autor.
Com apresentação de Rosa Maria Cardoso Dalla Costa e prefácio de Guillermo Orozco Gómez (com Everton, na foto acima), o livro é resultado de um estudo de recepção de reportagens de telejornal em sala de aula sob a perspectiva da teoria das mediações. A obra foi realizada no contexto do projeto de comunicação e educação “Televisando o Futuro” (Instituto GRPCOM).
A principal questão que motivou a escrita desta obra – e que irá motivar a leitura de um público direcionado para estudantes e profissionais das áreas de educação e comunicação – foi de descobrir como os alunos recebem as reportagens do telejornal quando mediados pela escola e pelo professor. Dessa forma, a interface entre comunicação e educação permitiu conhecer o contexto e as características do emissor, das audiências e das mensagens.
INTERCOM
No Intercom, que prossegue até sexta-feira, dia 9, estão sendo debatidos tópicos de jornalismo, relações públicas, publicidade, rádio, televisão, cinema, produção editorial e de conteúdo para mídias digitais e políticas públicas de Comunicação. O evento acontece desde 1977 e reúne, tradicionalmente, cerca de 3,5 mil pessoas, entre alunos de graduação e pós-graduação, pesquisadores e profissionais da área.

Abertas as inscrições para a 12ª Campanha de Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular

Acontece neste mês a 12ª edição da Campanha de Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, que deverá envolver cerca de 800 Instituições de Ensino Superior (IES). A ação é promovida pela Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES) e contará com atividades entre os dias 12 e 17 de setembro, quando serão realizadas atividades em todo o País com uma mostra dos projetos realizados e atendimentos à comunidade. Nesta edição, um dos destaques da campanha é o Pacto da Educação Brasileira contra o Zika, com diversas instituições que vêm trabalhando, ao longo do ano, para conscientizar a população a ajudar a combater o mosquito aedes aegypti.
Sobre o projeto – A Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular foi criada em 2005 com o intuito de incentivar e amplificar a divulgação dos projetos realizados pelas IES no âmbito da responsabilidade social. A Campanha culminava no Dia da Responsabilidade Social, agora ampliado para a Semana da Responsabilidade Social, quando as instituições promovem uma mostra do que é realizado ao longo do ano com propósito de aproximar o setor acadêmico e a sociedade por meio de ações realizadas pelas IES e de serviços nas áreas de educação, saúde, cultura e meio ambiente, dentre outras.
A iniciativa foi concretizada depois da Lei 10.861/2004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Pela legislação, a contribuição à inclusão social, ao desenvolvimento econômico, à defesa do meio ambiente, da memória e patrimônio cultural, da produção artística passou a fazer parte da avaliação das IES. Quando mal avaliadas, as instituições de ensino podem sofrer sanções.
Participam da ação tanto as instituições particulares – associadas ou não à entidade – como as públicas e também aquelas vinculadas ao Sistema “S”. Cada instituição cadastrada na Campanha tem autonomia para definir o local de realização do evento, bem como a programação de atividades, que devem ser todas gratuitas.
Além dos benefícios promovidos para a população, as ações garantem às IES a certificação com Selo Instituição Socialmente Responsável, reconhecendo a importância do vínculo entre o universo acadêmico e a comunidade.
Concurso de Vídeos – Para registrar de maneira criativa as ações promovidas pelas instituições na Semana da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, a ABMES criou o Concurso Sílvio Tendler de Vídeos sobre Responsabilidade Social. As inscrições para a 10ª edição do concurso serão abertas no dia 19 de setembro e as IES participantes concorrem a até R$ 10 mil concorrendo em quatro categorias: documentário, cobertura jornalística, vídeo institucional e videoclipe.
SERVIÇO – 12ª Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular
Data: 12 a 17 de setembro
Registro da Participação pelas IES: www.sisdia.abmes.org.br
Mais informações: www.responsabilidadesocial.abmes.org.br.
Fonte: Lidyane Lima
Gerente de Comunicação e TI
(61) 3223-1984

Criatividade é a palavra-chave para conquistar a atenção dos alunos no YouTube Edu

Criatividade é a palavra-chave para conquistar a atenção dos alunos, que buscam didática e boa metodologia nos canais de educação do YouTube. Para se destacar, professores precisam pensar em técnicas, novos formatos e, é claro, conteúdo de excelente qualidade.
De olho no potencial desta mídia para a educação, em 2013, o YouTube criou o YouTube Edu, reunindo vídeos e canais criados por professores para gerar uma interação com seus alunos e, é claro, como uma nova fonte de renda neste mercado tão pouco valorizado financeiramente. Com os canais de YouTube, tem educador que consegue faturar entre  R$ 5 mil e R$ 7 mil por mês!!! Quantas aulas presenciais será que ele teria que dar para conseguir este valor?
Ms não basta só colocar o conteúdo no Canal. Muitas críticas o YouTube Edu recebe por faltar um sistema de “filtro de qualidade”. Ouvindo o outro lado, eles dizem que um dos trunfos do YouTube Edu é justamente democratizar o ensino – e sua transmissão. Como sempre vai do usuário saber selecionar o que é bom.
Pesquisando nos vídeos mais vistos, encontrei um vídeo “Congele água em 1 seg – o segredo” com mais de 11 milhões de visualização, mais precisamente, no dia de hoje, 22 de junho, às 10h33, 11.795.341!!! São mais de 6 milhões de inscritos no Canal deste vídeo chamado Manual do Mundo. Além do Canal do YouTube, são 1.328.455 fãs da Fanpage, 264.891 seguidores no Instagran, e 89.115 seguidores no Twitter.
Quem faz os vídeos é a produtora “Manual do Mundo Comunicação”, especializada em entretenimento educativo, em conteúdos que despertam a curiosidade e a criatividade. “Descomplicar e transformar o chato em divertido é com a gente!” divulgam em seu site os idealizadores.
youTubeEdu
Leia mais sobre os Canais de Educação do YouTube neste link do Estadão, que serviu de inspiração para criar este post: http://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,canais-de-educacao-no-youtube-lutam-em-setor-saturado,10000058197

 

Quando o aluno busca experiências marcantes fora da escola

Em março deste ano participei da plateia do TEDxPraçaSantosAndradeED. Hoje assisti novamente a apresentação que mais gostei. A do menino, Aruni van Amstel, que de calças curtas, deixou todos de boca aberta para passar a mensagem de que a escola precisa proporcionar experiências marcantes nos alunos. Como isso não acontece para Aruni, ele busca essas experiências fora da escola. Investiga assuntos, que não estão relacionados aos conteúdos do currículo escolar, mas que lhe proporcionam muito conhecimento.
Ao contar sobre as experiências, todas muito criativas, ele faz um questionamento e incita a plateia, formada em sua maioria por educadores: Muitos professores dizem que os alunos não têm vontade de aprender. Mas será que todos os professores têm vontade de ensinar? E questiona ainda: Se não temos experiências marcantes nas escolas, como é que o que estudamos em sala pode ser interessante?

Editor Jiro Takahashi mostra como montar e manter uma pequena editora

unesp_curso
Em um mercado editorial cada vez mais competitivo, muitas pessoas que gostariam de abrir sua própria editora ainda têm dúvida se devem ou não assumir essa responsabilidade. Para analisar as oportunidades e dificuldades de ter o próprio negócio, a Universidade do Livro lança o curso on-line Como montar e manter uma pequena editora, ministrado pelo editor Jiro Takahashi.
Ao longo de seis aulas, serão abordadas as razões de ser uma pequena editora: as oportunidades e os riscos gerais; os cuidados editoriais e mercadológicos, bem como legais e administrativos; as particularidades de funcionamento: os projetos editoriais e a produção, a divulgação e a distribuição. Por fim, quais os desafios pessoais e empresariais no mundo atual, para manutenção saudável da editora.
O curso conta com depoimentos de vários convidados, que relatam suas experiências. Confira aqui a apresentação em vídeo: https://youtu.be/Lmt0cm0rczs
Fonte: Universidade do Livro

Boa notícia para a cobertura jornalística em educação

JEDUCA
Foi lançada hoje, em São Paulo, a Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação. Mesmo sendo um tema prioritário para o País, a educação ocupa pouco espaço na mídia nacional. Isso sem contar que o jornalista que cobre educação nem sempre é especializado no tema, diferente do que acontece com a cobertura de outras editorias como política, economia e esportes. Resultado disso, o pouco de cobertura que existe, nem sempre é de qualidade.
Com a Jeduca, o objetivo é justamente esse: melhorar a cobertura de educação na imprensa em todo País. Para isso, jornalistas, que cobrem o tema, e estudantes de Jornalismo serão conectados, por meio da Associação, para fomentar o interesse pelo tema e prepará-los para escrever sobre o assunto.
Grandes jornalistas especializadas de veículos como Folha de São Paulo participam da Associação, abrindo espaço para outros profissionais da comunicação para se associar. Serão oferecidos serviços gratuitos e toda a assistência para quem cobrir a área, pensando e debatendo como pode ser apurada da melhor forma a educação na imprensa. A ideia – e quem tem tudo para dar certo – é abrir uma rede de discussões sobre a área.
Para saber mais, acesse o site da Jeduca – www.jeduca.com.br

Prêmio Estácio de Jornalismo: último dia para inscrição (23.06)

estacio_premio
Jornalistas de todo o Brasil têm até o final do dia de hoje para participar da edição 2016 do Prêmio Estácio de Jornalismo. As reportagens veiculadas no país entre 11 de junho de 2015 e 10 junho de 2016, que tenham o Ensino Superior como tema central, poderão ser inscritas (até as 23h59 desta quinta-feira) pelo site www.premioestaciodejornalismo.com.br. Além de cadastrar as informações sobre as reportagens produzidas, é possível fazer o upload dos arquivos das matérias pela plataforma de inscrição online. Cada concorrente poderá inscrever até 5 (cinco) reportagens.
Desde sua criação, o Prêmio Estácio de Jornalismo vem demonstrando um crescimento expressivo na quantidade de reportagens inscritas e na qualidade dos conteúdos produzidos pelos jornalistas. Até o momento, o prêmio registrou a participação de mais de 700 jornalistas e profissionais de imprensa, que inscreveram um total de 1.094 reportagens veiculadas em 25 estados e no Distrito Federal. Foram mais de 100 premiados, entre concorrentes individuais e equipes, desde 2011.
PRÊMIOS – O Prêmio Estácio de Jornalismo irá atribuir à melhor reportagem produzida no ano sobre o ensino superior um prêmio principal. Todos os trabalhos finalistas, independentemente da categoria em que estiverem inseridos, concorrerão ao prêmio máximo, o “Grande Prêmio Estácio de Jornalismo 2016”.
Serão distribuídos R$ 125 mil entre nove vencedores, divididos entre duas modalidades: Nacional e Regional, e estas divididas nas categorias Impresso (Jornal e Revista), Televisão, Rádio e Internet. Na modalidade Nacional, o prêmio para cada vencedor será no valor bruto de R$ 15 mil. Na modalidade Regional, o prêmio para cada vencedor será no valor bruto de R$ 10 mil. O vencedor do prêmio principal, o Grande Prêmio Estácio de Jornalismo 2016, receberá a quantia bruta de R$ 25 mil. Todos receberão certificado e troféu alusivos à premiação.
RESULTADOS – Os finalistas terão seus nomes divulgados em agosto e o anúncio dos vencedores será feito durante solenidade, em setembro, no Rio de Janeiro, em data e local que serão divulgados oportunamente. Só nesta data serão divulgados os nomes dos vencedores.

F
onte: Assessoris de Imprensa da Estácio Curitiba (Pauta & Ideias).