Psicopedagoga e consultora educacional, Rosimar Santos Oliani

A consultora educacional, Rocimar Santos Oliani faz uma análise sobre os perigos da internet e dá dicas de prevenção.

A Internet está cada vez mais presente na vida de crianças e adolescentes. São muitos pontos benéficos que o acesso à tecnologia proporciona, mas, infelizmente, também temos à disposição muitos conteúdos impróprios e até perigosos. O jogo Baleia Azul é um deles. Ele propõe 50 desafios, que gradativamente levam os adolescentes a atos perigosos, como automutilar-se e, ao final, cometer suicídio.

A psicóloga, psicopedagoga, consultora e assessora educacional, Rocimar Santos Oliani, em entrevista para o Portal Futuro Eventos, faz uma análise sobre os perigos da internet. Ela alerta pais, professores e profissionais de saúde de como prevenir crianças e adolescentes para não cair nas armadilhas do meio digital.

Rocimar defende que é muito importante fazer um trabalho preventivo e eficaz de maior esclarecimento, não somente por meio dos meios de comunicação, como também, via escolas e outros meios presenciais levando a informação às famílias e aos educadores para que possamos dar a atenção merecida para as situações de riscos no meio tecnológico.

Confira a entrevista:

Futuro Eventos – Por que o jogo Baleia Azul está atraindo tanto os adolescentes? 

Rocimar – Importante, em primeiro lugar, a divulgação da informação e o esclarecimento sobre o Jogo da Baleia Azul. Trata-se de um jogo que começaram a jogar na Rússia, em 2015, e somente na Rússia já houve mais de cem casos de mortes de adolescentes vítimas deste jogo. No Brasil, com início este ano, já houve aproximadamente oito mortes. São 50 desafios que o adolescente deverá cumprir, incluindo automutilações e, no último desafio, o suicídio. Assim, neste momento, se faz necessário um alerta geral para as famílias, educadores e profissionais de saúde sobre esta prática de depreciação a vida.

Futuro Eventos – Hoje, uma grande parte das crianças tem perfis no Facebook, aplicativos no celular, grupos de whatsapp, entre tantos outros atrativos digitais. Até que ponto isto é benéfico ou perigoso?

Rocimar – Toda tecnologia ou ferramentas digitais educacionais é de extrema importância e saudáveis às nossas crianças, seja para o desenvolvimento de raciocínio lógico, cultural e também, para lazer e inteiração social. Porém, importante ser um trabalho dirigido e monitorado e, não somente, estar à mercê da criança ou do adolescente sem direcionamento algum, que, infelizmente, é o que acontece, muitas vezes.

Futuro Eventos – O que os pais em casa podem fazer para diminuir os perigos com o acesso a conteúdos impróprios? 

Rocimar – Entendo como sendo necessário os pais monitorarem o uso da internet e redes sociais sempre com muito diálogo, orientações constantes, levando o filho a reflexões importantes sobre os riscos e sobre a importância de preservação da própria vida. Limites são essenciais a uma vida saudável futura.

Futuro Eventos – Então, o melhor caminho é o monitoramento? 

Rocimar – O monitoramento dos pais no ambiente virtual é fundamental para a prevenção de problemas como cyberbullying até exposições de fotos de forma indevida de crianças e adolescentes.  Havendo ausência da atenção dos pais, para esse assunto, crianças e adolescentes ficarão vulneráveis a situações de risco e problemas de instabilidade emocional.

Futuro Eventos – E na escola? Em que sentido a escola pode ajudar?

Rocimar – A escola poderá ajudar, sim, e muito. Citarei aqui, algumas formas de minimizar a situação de conflito.  Por meio da Coordenação Pedagógica e Orientação Educacional, oportunizando palestras aos pais, educadores e alunos de orientação, reflexão e, principalmente, conscientização. Professores, de forma interdisciplinar, podem conversar e informar os alunos com clareza e cuidado sobre os riscos e conflitos advindos das redes sociais.

Futuro Eventos – Quais são os cuidados referentes à segurança e privacidade que é preciso saber?

Rocimar – Não divulgar senhas, não se expor com a utilização de webcam com pessoas desconhecidas e jamais divulgar fotos. Também, não enviar fotos de exposição do corpo, mesmo que para pessoas conhecidas. Falar com o adolescente a importância da sua autopreservação pode ser um trabalho preventivo realizado nas escolas.  As escolas podem proporcionar palestras aos alunos com informação, esclarecimentos de dúvidas sobre regras e uso adequado da internet.

Fonte: Texto publicado no Portal da Futuro Eventos  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *