Posts written by Brisa Teixeira de Oliveira

cursos_livres

Estácio lança portal de cursos livres com assinatura mensal

Para aumentar ainda mais as oportunidades de quem busca entrar ou se diferenciar no mercado de trabalho, a Estácio lança um portal com quase 250 cursos livres, com planos de assinatura sob medida e certificado em diversas áreas. Confira em www.estacio.br/cursoslivres

A assinatura é de R$ 19,90 mensais, no cartão de crédito. Os cursos também podem ser adquiridos de forma individual, com pagamento via boleto, débito e cartão de crédito. “A assinatura dá ao aluno uma flexibilidade maior para realizar seus cursos. Por um valor acessível, ele pode fazer o curso enquanto estiver com a assinatura ativa”, explica o executivo.

Read More

Em tempos de redes sociais, o que pensam os psicopedagogos?

linkedin_artigo_psicopedagogia
“As dimensões do aprender em tempos de redes sociais” foi o tema do 1º Encontro Regional de Psicopedagogia da Associação Brasileira de Psicopedagogia – ABPp-PR. Estive lá, no dia 8 de outubro, acompanhando o evento rodeada de psicopedagogos interessados pelo tema, que segundo a presidente da ABPp-PR, Loriane de Fátima Ferreira, foi pensado devido às demandas sociais da atualidade.
Read More

Prêmio do Portal Imprensa – Reconhecimento para professores de Comunicação

jeduca_premio_jornalistas

Quando lembro da minha graduação na PUC-PR, realizada de 1994 a 1997, me vem as aulas de rádio e televisão do Professor Valdir Cruz. Esses dois veículos nunca foram o meu foco de atuação, nem quando estudante e nem hoje, quase 20 anos de formada. O sonho era trabalhar na Gazeta do Povo, atuando na mídia impressa, fato que se consolidou, logo após o estágio, que fiz durante os 4 anos de faculdade.

Mesmo o rádio e a TV não sendo minhas mídias preferidas para trabalhar, as aulas do Professor Valdir foram as que mais me marcaram. Certa vez, ele dividiu a turma para fazer um grande telejornal. Lembro que eu fui a primeira a levantar a mão, dizendo que queria ser a editora geral; na verdade o que eu não queria era correr o risco de ser escalada para aparecer na tela como apresentadora, repórter ou comentarista. O pavor das câmeras me persegue até hoje.

Lembrei deste fato quando li a divulgação da segunda edição do Prêmio Professor Imprensa. Alunos e ex-alunos de comunicação poderão indicar os professores de graduação mais inspiradores, até o dia 24 deste mês. O apoio é da Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação – e patrocínio do Grupo RBS. Em um primeiro momento serão selecionados 25 finalistas. Em novembro, internautas definirão 5 ganhadores, um para cada região do país.

As indicações podem ser feitas pelo site www.portalimprensa.com.br/professorimprensa. Poderão ser indicados professores que tenham lecionado disciplinas em cursos de Comunicação Social: Jornalismo, Publicidade/Marketing, Relações Públicas e Rádio & TV. Professores de pós-graduação podem concorrer, desde que já tenham dado aulas na graduação.

Para mais informações acesse aqui o site da Jeduca

Fonte: Brisa Teixeira com informações da Jeduca

jeduca1

MEC responde jornalistas sobre reforma do Ensino Médio, em videoconferência, sexta, às 12h30

Jornalistas de todo o país poderão fazer perguntas para  o secretário de Educação Básica do MEC (Ministério da Educação), Rossieli Soares da Silva, nesta sexta-feira, às 12h30, em videoconferência promovida pela Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação). O tema será a Medida Provisória nº 746, que cria o Novo Ensino Médio.
Os interessados podem assistir ao evento no site da Jeduca (http://jeduca.com.br/). Os jornalistas podem enviar perguntas antecipadamente (recomenda-se) ou durante a transmissão online para o e-mail contato@jeduca.com.br.
A Jeduca considerou relevante promover a videoconferência por conta da polêmica criada pela reforma e das dúvidas que ainda persistem sobre a MP. O evento terá duração de uma hora, mediação da jornalista Elisângela Fernandes, diretora da Jeduca.
Anunciada na quinta-feira (22) da semana passada, para reverter a crise do ensino médio – o nível de aprendizado dos estudantes está estagnado desde 2011 –, a MP prevê flexibilizar a grade curricular, composta por 13 disciplinas obrigatórias. Ela permite ao estudante escolher entre cinco áreas (Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Formação Técnica e Profissional) para adaptar a trajetória escolar aos seus interesses. O governo também anunciou o investimento de R$ 1,5 bilhão para os estados iniciarem ou acelerarem a ampliação da carga horária nos três anos do ensino médio de 800 horas para 1,7 mil horas, o que implicaria a adoção do turno integral de 7 h diárias.
A reforma já provocou controvérsia de saída por ter sido apresentada via MP, considerada por seus críticos um instrumento que limita o debate – o Congresso terá 120 dias para analisar o tema. Além disso, o texto da MP distribuído aos jornalistas no dia 22 dava a entender que educação física, artes, sociologia e filosofia seriam excluídas do currículo. O MEC depois explicou que as quatro disciplinas permanecem na grade, jogando a definição para a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que está sendo debatida desde o ano passado.
O ministério também anunciou que vai baixar portarias para detalhar outros pontos da MP. Uma das dúvidas que persistem é exatamente a da articulação da medida provisória com a Base Comum. O parágrafo (§) 6º do artigo 36 determina que os conteúdos da BNCC não podem exceder 1.200 horas da carga horária total do ensino médio. Com isso, eles ficariam restritos a menos de um ano escolar, período considerado insuficiente por alguns educadores.
Numa tentativa de encerrar a polêmica sobre exclusão de disciplinas, a secretária-executiva do MEC, Maria Helena de Guimarães Castro, disse que artes e educação física serão ministradas durante metade dos três anos do ensino médio. O problema é que a BNCC aponta no sentido contrário, para a ampliação do peso de ambas no currículo. Em educação física, por exemplo, a versão atual da Base prevê 90 objetivos de aprendizagem ao longo do ensino médio.
Outro ponto que será tratado via portaria é o do financiamento da expansão do ensino integral. Rossieli tem dito que o MEC dispõe de estudos que comprovam a viabilidade financeira da ampliação. Mas o governo afirmou que os repasses serão feitos durante quatro anos, sem esclarecer se, depois disso, o custo da ampliação caberá exclusivamente aos estados, cuja condição financeira é notoriamente frágil.
Críticos da reforma consideraram insuficientes os recursos destinados ao turno integral. E também alertaram que o § 2º do artigo 6º não garante a transferência de fato das verbas, ao mencionar que ela ocorrerá “respeitada a disponibilidade orçamentária para atendimento” em um momento de crise econômica e queda da arrecadação.
Outro item em que o próprio governo admitiu que é necessário explicitar o texto da MP é o inciso IV do artigo 61, que permite aos estados remanejarem “profissionais com notório saber” para “ministrar conteúdos afins à sua área de formação”. O objetivo da medida é permitir que professores graduados em matemática, por exemplo, possam dar aulas de física, área que enfrenta escassez de especialistas. A portaria deve exigir que os profissionais já tenham experiência no ensino da disciplina para a qual vão migrar.
Rossieli Soares foi anunciado como secretário de Educação Básica em 24 de maio. Anteriormente, ele comandava a Secretaria da Educação do Amazonas e ocupava a vice-presidência do Consed (Conselho dos Secretários Estaduais de Educação).
A videoconferência tem o apoio técnico do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária).
Fonte: Elisângela Fernandes, diretora da Jeduca – Associação de Jornalistas de Educação.

O aprender em tempos de redes sociais

loriane_publicar No dia 8 de outubro, psicopedagogos, psicólogos e profissionais da educação estarão reunidos para falar sobre “As dimensões do aprender em tempos de redes sociais”, com realização da Associação Brasileira de Psicopedagogia – ABPp-PR. Este é o 1º Encontro Regional de Psicopedagogia da Associação e ele faz parte de uma conquista dos psicopedagogos do estado, no sentido de fortalecer as novas gerações de ampliar e intensificar os propósitos e sua atuação na sociedade.
A ideia do tema, segundo a presidente da ABPp-PR, Loriane de Fátima Ferreira, foi pensada devido as demandas sociais da atualidade. Para ela, o aprendiz de hoje está conectado o tempo todo, acessa o mundo em questão de segundos, tem acesso a informações, que promovem mudanças de comportamentos e de valores sociais rapidamente. “É esse aprendiz que a escola e o mundo precisam aprender a lidar e auxiliar na formação pessoal, acadêmica, ética e cidadã”, diz.
A palestra de abertura será realizada pelo doutor em Educação, Ricardo Antunes de Sá, que desenvolve estudos na área da formação e atuação de professores e pedagogos. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da UFPR, na linha de pesquisa “Tecnologias e Mídias Digitais Aplicadas à Educação”, Ricardo trará o tema “Processos Pedagógicos Complexos de Integração das Tecnologias e Mídias Digitais no Contexto da Cibercultura”.
Na sequência, as psicopedagogas e mestres em Psicologia da Educação, Isabel Parolin e Sonia Maria Gomes de Sá Küster falam para o público formado basicamente por sobre “Considerações Psicopedagógicas” acerac do tema do evento.
Outros profissionais renomados, que se destacam pelo seu trabalho realizado na interface entre as áreas da Educação e da Psicologia, estarão passando os seus conhecimentos e trocando experiências com o público. A programação completa e os dados para realizar a inscrição poderão ser conferidos neste link: http://www.paranasulabpp.com.br/?pag=eventos
Serviço:
Data: 08/10/2016
Público-alvo:  psicopedagogos, psicólogos e profissionais da educação
Horário: das 8h às 18h
Local: Colégio Dom Bosco (Rua Visconde de Guarapuava, 5581-  Batel)

 

Big Time Orchestra será a grande atração do Seminário Ler e Pensar

tic_tag_divulgacao2

Trabalho de professor não é fácil. É o que muitos dizem e eles não estão errados. Mas há aqueles, e são muitos, que – mesmo concordando com a afirmação – colocam dedicação e amor em tudo o que fazem e o dia a dia passa a ser mais prazeroso e gratificante.
Para celebrar e reconhecer o trabalho de professores como esses, todo ano o Instituto GRPCOM faz a premiação de educadores e escolas, que se destacaram no projeto Ler e Pensar. Na ocasião acontece o Seminário Ler e Pensar de Educação e Leitura, que já está na sua 14ª edição. Neste ano, o evento ocorrerá, na Ópera de Arame, dia 5 de outubro, às 19h, na Ópera de Arame.
Como palestrantes, abordando o tema “Desafios da Educação para o século XXI”, participam o doutor em Letras/Literatura Geraldo Peçanha de Almeida e o doutor em Educação Marciano Cunha. Geraldo estudou psicanálise e é autor de mais de 50 livros. Marciano é pesquisador na área de Gestão Estratégica de Pessoas e, entre tantos trabalhos que realiza, é facilitador para desenvolvimento de grupos e organizações em processo de mudança e gerenciamento de conflitos.
Outro grande momento do evento será o show da Big Time Orchestra, que vem fazendo um grande sucesso em todo o Brasil, após a participação do Programa Superstar. O repertório da moçada, que vai levantar o astral do público, traz releituras de clássicos do swing, pop, rock e soul.
Enfim, será um grande presente que o Instituto GRPCOM oferecerá a todos os participantes do Projeto Ler e Pensar e também daqueles que se interessam pela melhoria da educação em nosso país.
A inscrição é gratuita e pode ser feita neste link: bit.ly/2c7zBOO
Texto: Brisa Teixeira
Fonte: CPB

Como competem deficientes visuais nos diferentes esportes paralímpicos

Os Jogos Paralímpicos, que terminaram no domingo, dia 18, no Rio de Janeiro, vimos uma show de superação, reunindo 4.350 atletas de 160 países, em 22 modalidades. Só no Brasil foram  287 atletas participantes. As modalidades são adaptadas e, em algumas competições, os atletas são acompanhados por guias, que também são premiados e subirão ao pódio. Como tive uma experiência o ano passado de ser tutora de uma deficiente visual e por trabalhar hoje para a Jorge Javorski Comunicação, atendendo o Hospital de Olhos do Paraná , este tema da cegueira passou a chamar a minha atenção. Aqui, então, editado a partir de uma reportagem do jornal El País  resumo algumas modalidades com curiosidades e técnicas utilizadas para ajudar os atletas com deficiências visuais.
Golbol – Esporte criado exclusivamente para pessoas com deficiência visual. A quadra tem as mesmas dimensões das de vôlei. A bola tem um guizo em seu interior para que os jogadores saibam sua direção. Cada equipe conta com três jogadores, que são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores. Neste link, saiba mais sobra a história, regras, classificação e equipamentos https://www.youtube.com/watch?v=0bZ51jzmbAQ
Natação – Na beira da piscina, uma pessoa, chamada de tapper, avisa quando o atleta está prestes a chegar ao final, para que girem e finalizem a prova. O regulamento obriga todos os nadadores que competem na categoria S11 a levar óculos escuros. Dessa forma, os que têm certo grau de percepção competem nas mesmas condições dos que perderam completamente a visão. Dentro da piscina, para não sair de suas raias, os nadadores com deficiência visual encostam nas cordas que separam as balizas.
Ciclismo – Os atletas competem com um guia. O piloto com visão fica na parte da frente e como copiloto, na parte de trás da bicicleta, fica a pessoa com deficiência visual. Os dois ciclistas, não só devem pedalar na mesma sintonia, como também, devem sair da bicicleta, virar e manter o equilíbrio ao mesmo tempo em situações complicadas.
Triatlo (Categoria: PT5) – Os Jogos Paralímpicos do Rio serão os primeiros da história em que haverá competição de triatlo. Na natação, os atletas cegos vão unidos pela cintura ou perna, e é o guia que os dirige para as boias. No ciclismo, é usada uma bicicleta de dois lugares. Depois, na corrida, há duas opções, amarrados pelo cinto portadorsal ou com uma corda, segurando uma ponta cada um.
Futebol – A modalidade 5 é exclusiva para deficientes visuais. Jogada em terreno descoberto para permitir uma acústica ideal. Os três terços do campo são demarcados e, atrás dos gols, encontra-se a área de guias. Assim como no golbol, a bola é equipada com guizos para que os jogadores saibam sua posição e trajetória.
Judô – O regulamento determina que as provas devem começar com os dois esportistas agarrados.  O judô para deficientes visuais inclui novos sinais auditivos e táteis para transmitir as decisões aos esportistas.
Remo – No remo olímpico não existe, por enquanto, uma categoria só para pessoas cegas, mas na modalidade LTA4+, de embarcações de quatro atletas, podem participar até dois atletas com deficiência visual. O regulamento de remo paralímpico detalha que, devido à inclusão dos para-atletas, o juiz de saída dará às tripulações uma indicação verbal adicional, além da bandeira ou do sinal luminoso.
Fonte: Texto de Brisa Teixeira, editado do jornal espanhol El País
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/09/06/deportes/1473170113_556149.html
Fonte Foto: CPB
livros_muro_3

Um muro de escola inspirador

Um muro em forma de livros. Foi assim que o Colégio Evangélico Martin Luther, de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, inovou ao pensar na fachada da escola. Com os livros todos perfilados como se estivessem em uma estante é possível visualizar várias obras, todas sugeridas pelos próprios alunos da instituição e referentes livros que eles estavam lendo.
Destacam-se nas obras representadas no muro, o livro “Toda Poesia”, de Paulo Leminski, “As crônicas de Nárnia”, de C.S. Lewis, “A culpa é das estrelas (John Green)”, “O menino do pijama listrado” (John Boyne) e “A casa das orquídeas” (Lucinda Riley).
A ideia deixa claro o incentivo à leitura, que segundo o diretor do colégio, Ildemar Kanitz, precisa ser mais estimulada entre os jovens e que tenham um espaço grande na vida das pessoas.
Para fazer a arte no muro, foi chamado o grafiteiro Alexandre Schwingel, conhecido como Trilha, e que já é conhecido na cidade por ser grafites espalhados pela região.
Fonte Texto: editado a partir de O Presente Digital e Jornal Gazeta do Povo
Fonte Foto:
O Presente
semana-do-divorcio

Estácio Curitiba oferece orientações jurídicas para casais que desejam o divórcio

Para quem quer tomar uma decisão na vida, fechar um ciclo, se abrir para novas oportunidades ou simplesmente dar um tempo para si mesmo(a), o Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade Estácio Curitiba (NPJ) promove, de 19 a 23 de setembro, a 9ª edição do projeto Semana do Divórcio Consensual. São atendimentos jurídicos gratuitos voltados a casais de baixa renda.
Para receber o atendimento do projeto é preciso que haja acordo entre o casal em questões como a guarda dos filhos, pensão alimentícia e bens. A renda familiar não pode ser superior a três salários mínimos e os bens materiais do casal não poderão ultrapassar R$50.000. É preciso também que o casal seja residente em Curitiba.
Para participar, os interessados devem fazer a inscrição até hoje, dia 16 de setembro (por telefone). Os casais que estiverem dentro do perfil terão dia e horário agendados para a semana  na sede do NPJ. Os atendimentos são realizados por alunos do 9 e 10.º períodos do curso de Direito, sempre sob supervisão dos professores.  O NPJ conta com o apoio do Tribunal da Justiça neste projeto.
Serviço:
X Semana do Divórcio Consensual
Período de Inscrições: de 12 a 16/9
Inscrições e Informações: (41) 3088-0474